30 de nov de 2011

VACINAÇÃO x IMUNIZAÇÃO

Existe uma diferença grande entre vacinar e imunizar.


Vacinar um animal é uma coisa. É somente aplicar a vacina.
Imunizar é outra. É fazer com que ele desenvolva defesas contra determinadas doenças. Se o animal não estiver "preparado" para receber essa vacina, ele será vacinado, mas não imunizado, e não desenvolverá as defesas necessárias. E isso pode ocorrer em inúmeras situações, das mais sérias (animal doente) às mais bobas. Por exemplo se o animal estiver tomando algum anti-alérgico à base de cortisona (ou mesmo se utilizando de algum produto tópico - existem inúmeras pomadas e remédios de ouvido que tem cortisona), ou se estiver passando por um stress muito grande e/ou duradouro (o próprio organismo produz a cortisona), não teremos uma boa resposta à essa vacina, pois o corticóide é imuno-supressor (diminui as defesas).O cão pode estar doente, mas ainda sem sintomas visíveis ao leigo.

Quando você vacina um animal doente, alem dele não criar defesas (induzidas pela vacina), pode ter sérias complicações com a vacinação. Imagine, então, a situação em que se vacinou o cão (doente) e a mesma não valeu, pelo cão ter sido incapaz de produzir anticorpos. O que acontece é que o cão ficará sem proteção por um ano, até a data em que deveria ser revacinado. E se esperarmos melhora/cura, e o vacinarmos, ele ficará sem proteção apenas pelo tempo em que esteve doente.
Mas, quando estamos lidando com uma doença mais longa ou permanente, o ideal é melhorarmos um pouco o estado geral do cão e vaciná-lo. Porém, fazendo as vacinas separadamente (em vez de usar uma múltipla), com um intervalo grande entre cada uma delas. E preparando o organismo do cão para receber as vacinas.
Existem alguns medicamentos homeopáticos que podem ajudar a proteger o seu animal enquanto ele não pode ser vacinado.

Procure sempre o veterinário para a vacinação de seu animal. Toda vacinação implica numa avaliação anterior, para determinar se o animal está apto a recebera vacina, para saber se o animal responderá à essa vacina. Não se trata de uma "consulta total, ou seja, se o cliente tem uma queixa de pele (por exemplo) e também quer vacinar o animal, essa consulta seria cobrada, independente da vacina. Mas é importante que o animal seja AVALIADO - temperatura, gânglios, olhos, ouvidos, dentes, auscultação, saber sobre urina, fezes, apetite, ânimo, etc.

Por tudo isso, o cão deve ser vacinado apenas por um veterinário, pois só ele se responsabilizará pela vacina dada e poderá saber se o animal está apto a receber a vacina.
Além disso, as vacinas encontradas em lojas, não são iguais às encontradas com os veterinários.
Todos sabemos que os virus podem sofrer mutações ao longo do tempo, como uma tentativa de se adaptar e se desenvolver. Toda vez em que são lançadas novas vacinas, já baseadas nessa mutação viral, e essa tecnologia, de "atualização" das vacinas só é preocupação nos grandes laboratórios.

Outra coisa é a questão da responsabilidade. As vacinas tem que ficar sob refrigeração, entre 2 e 7 º C. Toda vez em que falta luz, por exemplo, a temperatura, mesmo com a geladeira fechada, ultrapassa essa marca em pouco tempo. Será que todos os lojistas providenciarão um isopor com bastante gelo para conservar as vacinas enquanto estiver faltando luz? Será que, quando ele descobrir que a temperatura da geladeira ultrapassou isso, ele será capaz de jogar todas as vacinas do estoque no lixo?

Também sabemos que a vacinação não é uma coisa totalmente inócua, então, mais um motivo para escolhermos uma vacina e um profissional que realmente se responsabilize pela vacinação, que possa nos dar a certeza de que o animal não está sendo vacinado, mas também imunizado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário